Embalagens de Ades receberam só água e soda cáustica, diz laudo

Do G1

A Superintendência Estadual de
Vigilância Sanitária divulgou nesta sexta-feira (22) o laudo sobre a
contaminação de uma das linhas de produção do suco Ades na fábrica Unilever em Pouso Alegre (MG)
por produto de limpeza. De acordo com o órgão, foram envasadas 96 unidades
somente com hidróxido de sódio a 2,5% e água, e não o suco de soja. A
substância é utilizada para limpeza da linha de produção.
A falha foi detectada no processo de
envase do Alimento de Soja sabor Maçã – marca AdeS – Lote AGB 25 envasado no
equipamento TBA3G  no dia 25 de fevereiro de 2013 com validade até 22 de
dezembro de 2013. O estoque do tanque que alimentava a linha de envase estava
reduzido, o que caracterizaria final de processo e que a linha estaria pronta
para o processo automático de limpeza. No entanto, o equipamento foi acionado
novamente para o processo de envase. Dessa forma, houve o envase da substância
no lugar do suco.
A empresa não percebeu o desvio e o
produto, embalagem de 1,5 litros do suco de maçã da Ades, foi distribuído ao
mercado. Segundo assessoria de imprensa da Unilever, houve falha humana e dos
equipamentos da linha de produção. A máquina acionou o sistema de limpeza com o
estoque reduzido, e um funcionário teria iniciado o sistema para envase
novamente.
Técnicos da Unilever se reuniram em
audiência nesta terça (19), em Brasília, com a Secretaria Nacional do
Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon) e a Agência Nacional de
Vigilância Sanitária (Anvisa) e já haviam admitido falhas operacionais e
humana.
“Todas essas medidas informadas pela
empresa não eximem as responsabilidades dela e de seus representantes legais.
Ela tem responsabilidades previstas tanto no Código de Defesa do Consumidor,
como na Norma de Vigilância Sanitária”, afirmou Amaury Oliva, diretor do
Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça.
Segundo assessoria de imprensa da
Anvisa, o laudo da Vigilância Sanitária Estadual ainda será analisado pelos
técnicos da instituição, para que sejam definidas as penalidades. A assessoria
disse ainda que, em relação aos consumidores, corre um processo pela Secretaria
Nacional do Consumidor. A multa da secretaria pode chegar a R$ 6,2 milhões. A
empresa também pode ser multada pela Anvisa em até R$ 1,5 milhão.
A Vigilância Sanitária determinou
ainda que a linha de produção ficará paralisada até que seja comprovado o
cumprimento das seguintes determinações:
– Revisão completa de todos os
equipamentos, sensores, software do processo AdeS;

– Alteração do Plano Amostral – aumento do número de amostras coletadas durante
o processo de envase;

– Alteração do Período de Retenção dos produtos acabados antes da liberação ao
mercado;

– Revisão e implementação de procedimento de liberação da produção após o
sistema de higienização – CIP – realizado pelos operadores, coordenadores com
registro formalizado e assinado;

– Introdução de dossiê diário de liberação de qualidade – liberação formal com
assinatura dos gerentes.
Recall do suco de maçã Ades
Na segunda-feira (18), dois
funcionários da Vigilância Sanitária Estadual e Municipal estiveram na fábrica
da empresa Unilever, em Pouso Alegre (MG), para fiscalizar uma linha de
produção de sucos com soja da Ades. As informações apuradas pelos profissionais
da vigilância sanitária serviram de base para elaboração do laudo da
contaminação e possíveis penalidades à empresa.
Uma resolução da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada no “Diário Oficial da União”
desta segunda-feira suspendeu a fabricação, distribuição, venda e consumo de
todos os lotes dos produtos com soja da marca Ades, de diferentes sabores,
versões e tamanhos de uma das linhas de produção da cidade.
Na quinta-feira (14), a Unilever
anunciou recall em um lote do suco de maçã Ades de 1,5 litro por risco de
queimadura. Segundo a fabricante, a contaminação com solução de limpeza foi
detectada no lote com as iniciais AGB 25, fabricado em 25 de fevereiro, com
“cerca de 96 unidades do produto AdeS Maçã 1,5 l”.
“Nestas unidades, foi
identificada uma alteração no seu conteúdo decorrente de uma falha no processo
de higienização, que resultou no envase de embalagens com solução de limpeza da
máquina. O consumo do produto nessas condições pode causar queimadura”,
afirmou a Unilever, em comunicado.
Por meio de nota oficial divulgada na
segunda-feira, a Unilever afirmou que o problema limitava-se às 96 unidades de
Ades sabor maçã, embalagem com 1,5 litros produzidas em Pouso Alegre, e que
desde o dia 13/03/13 nenhum produto fabricado na linha onde foi detectado o
problema foi distribuído ao mercado. A linha de produção ficou inativa para
apuração do caso. Os produtos do lote de maçã com problema foram distribuídos
nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.
Ainda segundo a empresa, a causa do
problema foi identificada e todas as medidas para correção foram tomadas pela
Unilever. A empresa cumpriu todas as determinações da Anvisa publicadas na
segunda-feira, incluindo a retirada do mercado de todas as unidades produzidas
na linha onde foi detectada a contaminação.
A Unilever afirmou ainda que os
demais produtos Ades não correspondentes aos lotes com as iniciais
“AG” permanecerão no mercado e se encontram em perfeitas condições
para consumo, e que a empresa está colaborando com a Anvisa com todas as
informações necessárias para a solução do problema.

Deixe uma resposta