Além de não representar porcaria nenhuma, passagem da tocha pelo Brasil causou prejuízos ambientais

Juma-a-onca-pintada-que-participou-da-cerimonia-da-Tocha-Olimpica-e-sacrificada-1-414x600Não bastasse a tocha olímpica não representar bulhufas, e nem tão pouco acrescentar em nada na vida de seu de ninguém, ainda causou prejuízos ambientais durante sua passagem pelo Brasil, onde uma Onça pintada, animal considerado com riscos de extinção, acabou sendo assassinada em Manaus.

A organização dos Jogos Olímpicos Rio 2016 já se pronunciou nesta terça-feira (21) sobre a morte da onça Juma, abatida após participar do revezamento da Tocha Olímpica no Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), em Manaus.

– “Erramos ao permitir que a Tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado“, admitiu o comitê.

Em nota divulgada em sua página no Facebook, a Rio 2016 disse que o ocorrido “contraria as crenças e valores” da organização.

Veja íntegra da nota:

Erramos ao permitir que a Tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado. Essa cena contraria nossas crenças e valores.

Estamos muito tristes com o desfecho que se deu após a passagem da tocha. Garantimos que não veremos mais situações assim nos Jogos Rio 2016.

Entenda

A onça Juma foi abatida pelo Exército após fugir assustada e avançar contra um militar durante a passagem da tocha. O fato aconteceu nesta segunda-feira, 20.

A onça Juma foi morta com um tiro de pistola.

Ambientalistas criticaram o ocorrido. Diogo Lagroteria, analista ambiental especializado em fauna silvestre e veterinário, disse que, mesmo com anos de treinamento e em cativeiro, a onça nunca poderá ser considerada um animal domesticado. “O incidente no Cigs aconteceu pelo simples fato dele [o animal] ser uma onça. Animais selvagens sempre serão animais selvagens. Não tem como prever a reação deles nesse tipo de situação”, disse o analista ambiental.

Deixe uma resposta