Desprovida de segurança, população de Bacabeira é refém da criminalidade

O prefeito Alan Linhares (PCdoB) havia prometido mediar uma audiência pública com o secretário de segurança pública do estado que, estranhamente, nunca aconteceu.

motoqueiro-armadoDesprovida absolutamente de segurança pública, a cidade e a população de Bacabeira vive preocupada com os altos índices de criminalidades, o que os torna refém de bandidos e trombadinhas.

A prática de assaltos a mão armada praticadas sempre por motociclistas só vem aumentando a cada dia na cidade. Só durante este mês de junho, data de realizações de arraiais juninos, dezenas de pessoas sofreram ameaça a vida e tiveram bens roubados em Bacabeira.

Na noite desta quarta-feira, 22, nem igreja foi respeitada. Dois assaltantes utilizando de uma moto tipo Pop-100, de cor preta, assaltaram um rapaz evangélico na porta de sua igreja quando chegava para o culto. Essa ocorrência aconteceu na avenida Carlos Macieira, no bairro Cidade Nova, aproximadamente às 19:30h.

Segundo a vítima, o garoupa se aproximou, sacou um revólver e colocou sob o seu peito obrigando-o a entregar o celular.

Felizmente ninguém se feriu, mas é um risco que cada um corre.

Infelizmente, a cidade de Bacabeira tem sido alvo fácil desse tipo de delito, e tudo pode estar associado a falta de compromisso dos governantes, tanto municipal quanto estadual.

Em dezembro do ano passado um jovem cheio de saúde acabou perdendo a vida justamente pela falta de gestão pública na área de segurança. Até hoje os criminosos estão soltos e a família do jovem Wesley Torres sem nenhuma resposta.

Após esse crime que chocou toda a cidade, a população foi às ruas para protestar e cobrar segurança ao prefeito Alan Linhares (PCdoB), que prometeu mediar uma audiência pública com o secretário de segurança pública do estado, Dr. Jefferson Portela que, estranhamente, nunca aconteceu.

Até hoje ninguém explica, nem mesmo o prefeito Alan Linhares, por que essa audiência não foi realizada na cidade de Bacabeira, já que foi um clamor popular e ele se julga tão preocupado com a população.

Será que foi medo de ser pressionado pela população na frente do secretário de Flávio Dino?

Essa é uma pergunta que não calará…

Enquanto isso os moradores da cidade estão colocando a própria vida em risco por falta de um direito adquirido violado.

É brincadeira!

Deixe uma resposta